conecte-se conosco

Infraestrutura & Logística

BR-163: Freitas promete duplicação até Sinop e contrato da Fico assinado em novembro

Publicado

A duplicação da BR-163, importante rodovia para escoamento de produtos agrícolas de Mato Grosso, vai ser completada até 2021 entre Rondonópolis e Cuiabá, e deverá ser realizada em algum momento também até Sinop, ao norte do Estado, disse o ministro de Infraestrutura, Tarcísio Freitas, nesta sexta-feira.

“Sei que a 163 é uma necessidade, e aí quero dizer que até o ano que vem vamos terminar a duplicação de Rondonópolis até Cuiabá, fazendo os contornos que estão faltando”, disse o ministro, em evento com o presidente Jair Bolsonaro, em Sinop.

Tarcísio: “MT não será somente o maior produtor de alimentos do Brasil, mas também terá o maior entroncamento de ferrovias do país”.

O ministro também falou em dar uma “solução para a Rota do Oeste muito em breve”. Mas não entrou em detalhes, na referência à concessionária da rodovia, em seu discurso.

“Vamos ter uma nova realidade, um novo contrato, e essas obras acontecerão. Sabemos que tem que duplicar até Sinop, e ela vai ser duplicada. Não é só a 163, é a 242, 158, 174 e 364, e vamos ver isso acontecendo”, declarou ele, ressaltando que o governo se preocupa com a infraestrutura para tornar o Brasil também eficiente da “porteira para fora”.

Com a conclusão de pavimentação de um trecho da BR-163, no Pará, o custo do frete rodoviário caiu mais de 15% para escoar a segunda safra de milho deste ano, conforme dados do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), uma indicação dos benefícios que as melhores condições das estradas podem trazer para o produtor rural.

Ferrovias

Segundo o ministro, o Mato Grosso não será somente o maior produtor de alimentos do Brasil, mas também terá o maior entroncamento de ferrovias do país.

Ele afirmou que a Ferrogrão sairá de Lucas do Rio Verde, enquanto a Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico) também passará pelo município, situado em uma das principais regiões agropecuária do país, no meio do Estado.

Segundo ele, o contrato para viabilizar a Fico vai ser assinado em novembro.

“A primeira perna (da Fico) já estará em obras no ano que vem, de Água Boa até Mara Rosa em Goiás, ligando o Vale do Araguaia à ferrovia Norte-Sul. Depois ela vai se estender até Lucas… ela vai se tornar uma realidade. Estou impressionado com o apetite dos investidores, que acreditam aqui, não só no Mato Grosso, na capacidade das pessoas que estão aqui…”, afirmou.

No caso da Ferrogrão, o projeto original indicava início da estrada de ferro em Sinop –e não em Lucas do Rio Verde–, ligando a região produtora até o porto fluvial de Miritituba, no Pará, de onde saem barcaças com grãos até os portos do Amazonas, para serem carregados em navios graneleiros que avançam pelo Oceano Atlântico.

O trajeto da Ferrogrão é paralelo à BR-163, em direção ao norte, e servirá para aliviar o fluxo de caminhões na importante rodovia.

(Por Roberto Samora/Reuters)

Leia mais:  Agenda Cáceres: Com requerimento já protocolado na Marinha, porto deverá entrar em operação a partir de dezembro
publicidade

Economia & Mercado

Obras na MT-343 já favorecem a economia da região de Porto Estrela, Cáceres e Barra do Bugres

Publicado

Asfalto é fator de desenvolvimento. Melhora a qualidade de vida, facilita o trânsito de pessoas e mercadorias e atrai investimentos para uma região. É o que está acontecendo na área de abrangência da MT-343, rodovia estadual que atende principalmente o município de Porto Estrela e liga a região sudoeste ao oeste do estado.

Com uma extensão de 147 quilômetros ligando Cáceres à MT-246, em Barra do Bugres, as obras de pavimentação ainda estão em andamento, mas a simples sinalização de anos atrás de que seria pavimentada foi o start para a criação de um novo horizonte para uma região até então esquecida no estado.

Aspecto do perímetro urbano de Porto Estrela: Pavimentação representará alento econômico.

A estrada, depois de pavimentada, representará um alento à economia de Porto Estrela, município com 2.8 mil habitantes e uma das rendas médias individuais mais baixas do estado (R$ 18.103,62 PIB per capita).

Além do ânimo proporcionado à população de Porto Estrela e às localidades servidas pela rodovia (como o distrito de Saloba e Vila Aparecida), já há investimentos privados com arranjos produtivos locais (APL) às suas margens. Um dos exemplos é uma empresa de produção de calcário instalada nas proximidades de Porto Estrela. Informações levantadas pelo Enfoque Business indicam que há interesses de investimentos em projetos agropecuários e para instalação de postos de combustíveis, restaurantes e outros empreendimentos.

Jazida de calcário em exploração através de APL junto à MT-343, proximidades de Porto Estrela.

Na avaliação do economista, engenheiro civil e especialista em logística Sílvio Tupinambá, a MT-343 é importante rota de escoamento de produtos do agronegócio, em especial, calcário e produtos do setor sucroalcooleiro (em especial, os municípios de Nova Olímpia e Barra do Bugres). “Ela possibilita a ligação dos municípios de Cáceres, Porto Estrela e Barra do Bugres, além de permitir a interligação da rodovia federal BR-070 com a BR-364, na região oeste de Mato Grosso”, reforça.

Leia mais:  Agenda Cáceres: Com requerimento já protocolado na Marinha, porto deverá entrar em operação a partir de dezembro

As obras estão com mais de 50% dos serviços previstos executados e são investidos aproximadamente R$ 70 milhões, com previsão de entrega já no início do ano que vem. “Essa é mais uma obra estruturante da região. Além de ligar os três municípios, essa pavimentação vai interligar diretamente ao Porto de Cáceres e à Zona de Processamento de Exportação de Mato Grosso, que também está em obras”, disse o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, em recente entrevista à imprensa.

As obras na MT-343 incluem a construção das quatro pontes de concreto sobre os rios Cachoeirinha e Saloba Grande e nos córregos Figueirinha e Ribeirão Três, com investimento total de R$ 8 milhões.

As obras de pavimentação e construção de pontes são executadas pelas empreiteiras HL Construtora e Eletro Hidro  (pavimentação) e Construtora Rivoli do Brasil (pontes).

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana