conecte-se conosco

Agronegócio & Produção

Bovinos somam 218,2 milhões no Brasil; MT é o maior e Tangará lidera na microrregião

Publicado

O IBGE divulgou semana passada os números de 2020 do rebanho bovino no Brasil, nos estados e nos municípios. Segundo a Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM), o rebanho bovino nacional cresceu 1,5%, chegando a 218,2 milhões de cabeças, maior efetivo desde 2016.

Segundo o levantamento, o Centro-Oeste respondeu por 34,6% do total (75,4 milhões). A maior alta foi na região Norte: 5,5%, ou mais 2,7 milhões de cabeças, somando 52,4 milhões. Mato Grosso segue líder, com 32,7 milhões de cabeças e alta de 2,3% ante 2019. Entre os municípios, São Félix do Xingu (PA), manteve a liderança com 2,4 milhões de cabeças e alta de 5,4%, no ano.

Em Mato Grosso, a maior concentração de bovinos está na mesorregião Norte do estado, com nada menos que 13.787.667 cabeças. Esta mesorregião abrange as microrregiões de Aripuanã, Alta Floresta, Colíder, Parecis, Arinos, Alto Teles Pires, Sinop e Paranatinga.

A mesorregião Nordeste – que engloba as microrregiões Norte Araguaia, Canarana e Médio Araguaia -, os bovinos somam 6.262.742 cabeças.

Leia mais:  Momento Agrícola destaca biocombustíveis, energia solar, eleições nos EUA e mudanças na SEMA-MT e na NR-31

Tangará e região

Tangará da Serra detém o 31º maior rebanho do estado.

No Sudoeste do estado, composto pelas microrregiões do Alto Guaporé, Tangará da Serra e Jauru, o rebanho é de 5.781.036 cabeças. Na microrregião de Tangará da Serra (969.768 cabeças), o município de mesmo nome ostenta o maior rebanho, com 365.691 cabeças, figurando na 31ª colocação entre os municípios.

Na região de influência socioeconômica de Tangará da Serra, este município mantém a liderança ante os vizinhos Barra do Bugres (272.907), Campo Novo do Parecis (150.934), Sapezal (126.270), Santo Afonso (125.535), Diamantino (123.758) e Nova Olímpia (88.841).

Outras

As mesorregiões Centro-Sul (microrregiões do Alto Paraguai, Rosário Oeste, Cuiabá e Alto Pantanal) e Sudeste (microrregiões de Primavera do Leste, Tesouro, Rondonópolis, e Alto Araguaia) possuem, respectivamente, rebanhos de 3.618.535 e 3.252.545 cabeças.

publicidade

Agronegócio & Produção

Momento Agrícola: Crime de baderna, congelamento na Argentina e entrevistas são destaque

Publicado

Os atos de vandalismo contra uma entidade do Agro, as medidas para combate à inflação da vizinha Argentina, a tributação sobre os combustíveis e outros assuntos são os destaques do Momento Agrícola deste sábado.

O programa é produzido e apresentado pelo produtor rural, engenheiro agrônomo e consultor Ricardo Arioli e transmitido pela rede de rádios do agro aos sábados. É, também, repercutido em formato de matéria jornalística pelo Enfoque Business, com o link da Soundcloud ao final do texto.

Baderna e afronta

O primeiro assunto abordado pelo Momento Agrícola foi a baderna promovida pela Via Campesina e pelo MST na sede da Aprosoja, em Brasília, na manhã da última quinta-feira (14).

Cerca de 50 integrantes da Via Campesina invadiram a sede da Associação Brasileira dos Produtores de Soja, na capital federal, e picharam a fachada e paredes internas. A direção da entidade ligada ao Agro lamentou os atos de vandalismo e considerou uma afronta ao Estado Democrático de Direito.

Baderna da Via Campesina e do MST será investigada pela Polícia.

Segundo informações repassadas à imprensa pelos vândalos ligados à Via Campesina, a depredação foi motivada pelo veto do presidente Jair Bolsonaro ao projeto de lei 823/2021 (PL Assis Carvalho). Ainda conforme a imprensa nacional, a Via Campesina alega que a proposta do projeto consiste numa iniciativa dos movimentos populares do campo para garantir a segurança alimentar e subsídios na agricultura familiar.

Leia mais:  Momento Agrícola destaca biocombustíveis, energia solar, eleições nos EUA e mudanças na SEMA-MT e na NR-31

Ricardo Arioli faz um comentário sobre o lamentável episódio de vandalismo ocorrido na capital federal.

Congelamento na Argentina

O governo da Argentina congelou os preços de 1.245 produtos de consumo em massa por 90 dias para tentar controlar a inflação. O secretário de Comércio, Roberto Feletti, pediu que as empresas enviem as tabelas de preços válidas até dia 1º de outubro.

Os preços permanecerão inalterados aos consumidores até 7 de janeiro, numa medida clara do governo para buscar a estabilização dos preços.

O Momento Agrícola comenta o assunto relacionado ao país vizinho.

Outras

Outra notícia comentada nesta edição do Momento Agrícola é a unificação das alíquotas do ICMS sobre os combustíveis nos estados, através de projeto de lei aprovado pela Câmara Federal e que, agora, está sob apreciação no Senado.

O decreto do MAPA para simplificação dos processos de pesquisa, análise e registro comercial de defensivos agrícolas é outra abordagem do Momento Agrícola, assim como as entrevistas.

No segundo bloco, o entrevistado é César Borges, do Instituto da Soja Livre. Na sequência, o tema abordado é “O ritmo de plantio e da entrega de insumos em Mato Grosso”. Concluindo o programa, Ricardo Arioli discorre sobre “A Crise dos Insumos”.

Leia mais:  MÁQUINA LETÁRGICA: SEMA-MT levaria 35 anos para zerar fila de espera por CAR’s; Burocracia emperra negócios

Para ouvir o Momento Agrícola na íntegra, clique abaixo:

 

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana