conecte-se conosco

Cidades & Geral

ATUALIZAÇÃO: Com 12 mandados, PF realiza ‘Operação Circumitus’ em Campo Novo e Cuiabá

Publicado

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta (21) a “Operação Circumitus” para combater crimes de desvios de recursos públicos em atividades de prestação de serviços e alimentação escolar no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Campo Novo do Parecis (150 quilômetros de Tangará da Serra).

Estão em cumprimento 12 mandados de buscas e apreensões em residências, sedes de empresas e órgão público – sete em Campo Novo do Parecis e cinco em Cuiabá – motivados por supostos desvios de recursos públicos destinados à alimentação escolar e à infraestrutura das acomodações de salas de aulas, laboratórios, dentre outras.

A ação visa desarticular esquema criminoso com indicativos de fraudes e desvio de recursos públicos no instituto nas áreas da educação e infraestrutura. O montante dos recursos envolvidos é de aproximadamente R$ 4,8 milhões.

O empresário Mauricio Souza de Menezes, dono da Protege Energia, foi preso em flagrante por posse ilegal de arma. A candidata à vereadora em Campo Novo do Parecis, Samila Dalva de Jesus Silva, a “Samila” (Patriotas), também foi alvo de busca e apreensão.

Leia mais:  Ação do SINDJOR-MT em parceria com Poder Público disponibiliza hoje vacina contra Influenza para profissionais da Imprensa

Na Capital, os mandados estão sendo cumpridos na sede de uma empresa de manutenção elétrica de média e alta tensão, localizada no bairro de classe média alta Jardim Califórnia.

Já em Campo Novo, a PF cumpre os mandados acompanhados de servidores da Controladoria Geral da União (CGU).

Investigações

As investigações tiveram início a partir de trabalhos internos da CGU que identificaram pagamentos de notas fiscais de possível fornecimento de gêneros alimentícios no mês de janeiro de 2020 para alimentação escolar, sendo que neste período os alunos estavam em período de férias escolares.

No decorrer das investigações foi possível constatar que os referidos gêneros alimentícios não foram entregues pelas empresas contratadas, porém foram pagos integralmente. Somente nesta ocasião foram desviados cerca de R$ 127 mil.

Outros elementos informativos evidenciaram as referidas irregularidades procedimentais em relação a contratos para obras de engenharia. Servidores públicos estariam exercendo pressão sobre responsáveis pela fiscalização de contratos para liquidação e pagamento de notas fiscais, muitas vezes sem que se verificassem a execução completa do respectivo serviço ou fornecimento de material.

Leia mais:  Eleições 2020: Violência digital já marca o pleito eleitoral antes mesmo de definição de candidaturas

A operação tem por objetivo subsidiar trabalhos de investigação relacionados às fraudes na execução de programas do Governo Federal, com vistas a apurar a responsabilidade das pessoas físicas e jurídicas envolvidas.

Dentre as irregularidades investigadas, cabe destacar, indícios de fraude na entrega de gêneros alimentícios da alimentação escolar, pagamento de notas fiscais em duplicidade, indícios de fraude na execução de manutenção preventiva da infraestrutura do campus, dispensas ilegais de licitações, dentre outras.

A partir dos elementos de prova colhidos foram demonstrados indícios do cometimento dos delitos de peculato, corrupção ativa e passiva, dispensa ilegal de licitação, fraude em licitação mediante entrega de mercadoria diversa e/ou alterando a quantidade, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

(Com informações Assessoria PF)

publicidade

Cidades & Geral

ACITS reúne empresários e colaboradores em Palestra “Entendendo a Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD”

Publicado

Com o objetivo de esclarecer os principais conceitos da Lei Geral de Proteção de Dados – (LGPD), e analisar os impactos e desafios causados por ela, a Associação Comercial e Empresarial de Tangará da Serra (ACITS), promoveu na noite da última terça-feira (24), a Palestra “Entendendo a LGPD”. O evento reuniu empresários e colaboradores tangaraenses de diversos segmentos, no auditório da ACITS.

A roda de conversa foi conduzida pelos membros da Assessoria Jurídica da ACITS, Dr. Luciano de Sales, Dr. Ayrton Freitas, Dr. Clésio Plates, juntamente com o TI Rodolfo Dias. Os especialistas puderam, durante a conversa, alertar os presentes sobre os ricos em não se cumprir a LGPD, como também, apresentaram soluções para que as empresas se adequem ao novo sistema.

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), já está em vigor desde o dia 18 de agosto de 2020 e prevê sanções de 2% do faturamento da empresa ou até multas de R$ 50 milhões. “O evento é uma maneira de proteger e preparar o empresariado para que ele não venha sofrer problemas futuros com a nova Lei.” Afirma, o Presidente da ACITS, Junior Rocha.

Leia mais:  Eleições 2020: Violência digital já marca o pleito eleitoral antes mesmo de definição de candidaturas

A palestra foi realizada seguindo todas as medidas de biossegurança contra a pandemia do Covid-19, como uso de máscara, álcool em gel e distanciamento social obrigatório. Além disso, os participantes puderam confirmar presença através de um QR-Code, disponível na entrada do auditório, evitando aglomerações.

As caixas de leite arrecadadas no evento, serão destinadas a uma instituição carente de Tangará da Serra.

Assessoria de Comunicação ACITS

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana