conecte-se conosco


Cidades & Geral

Álcool, violência e sentimento de impunidade podem fazer jovens perderem juventude na cadeia

Publicado

Quando os jovens Gustavo Henrique Albanez e Jhony Marlon Carmargo de Souza seguiam rumo a uma oficina da cidade cobrar uma dívida, na tarde daquela quinta-feira (03/12), não imaginavam que estavam inaugurando a mais sombria fase das suas vidas.

Embalados pela bebida alcoólica e cegados pela inconsequência, Gustavo e Jhony Marlon (foto acima) chegaram à oficina do mecânico João Paulo da Costa, em Tangará da Serra, querendo receber uma dívida. João Paulo não tinha o dinheiro naquele momento e esta foi a senha para uma sessão tríplice de tortura.

Violência e roubo

O quadro da sessão tríplice contra a vítima João Paulo foi pintado com os tons cinzentos da quádrupla combinação de álcool, violência, covardia e sentimento de impunidade.

Gustavo e Jhony foram e voltaram três vezes à oficina de João Paulo naquele dia. Numa delas, fecharam o estabelecimento para que a vítima não tivesse como fugir, espancaram-na, filmaram as cenas e, por fim, roubaram uma peça de um veículo de um cliente para usar no carro de Gustavo.

O que ocorreu naquela fatídica quinta-feira veio à tona no final de semana seguinte (sábado, 05), nas redes sociais. O vídeo com as agressões foi postado (provavelmente) por Jhony, que filmou o espancamento de João Paulo. As imagens foram parar nas mãos da Polícia, que investiga a possibilidade da existência de um segundo vídeo, também com cenas de agressão.

Leia mais:  Transporte intermunicipal no MT: Viação Juína e Expresso Satélite estão habilitadas para o mercado Tangará da Serra

Fuga e prisão

A partir do momento em que as imagens do espancamento caíram nas redes sociais, o orgulho e a ‘valentia’ de Gustavo e Jhony Marlon começaram a ruir. A revolta que se espalhou na sociedade levou os dois infratores a se sentirem apreensivos, desesperadamente assustados com a proporção e as inevitáveis consequências do triste episódio.

De cabelo raspado para dificultar identificação, Gustavo foi preso nas primeiras horas da manhã do último dia 08, em Cuiabá. (Foto imagens TV)

Eles sabiam que a Polícia os procurava e resolveram fugir, mas foram presos no início da semana seguinte, nas primeiras horas da manhã da terça-feira, dia 08. Eles se preparavam para seguir em fuga.

Jhony escondia-se numa fazenda, na saída para Campo Novo do Parecis. Gustavo, que rapou seus cabelos para dificultar seu reconhecimento, estava num hotel, em Cuiabá.

Gustavo e Jhony receberam voz de prisão e foram algemados. Prestaram depoimentos e seguiram para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Tangará da Serra.

Consequências

O inquérito foi concluído esta semana e o resultado pode ser quase tão doloroso quanto as agressões e as humilhações sofridas pela vítima João Paulo, que, por sinal, dificilmente esquecerá o pavor que vivenciou naquela quinta-feira.

Leia mais:  Dia de Feira: Abundante na época e com preço atrativo, abacaxi fortalece a saúde

O delegado Adil Pinheiro indiciou Gustavo Henrique e Jhony Marlon por crime de tortura (considerado hediondo e, portanto, inafiançável), com as agravantes de roubo qualificado (a peça – um painel inteiro – que a dupla de agressores arrancou do carro de um cliente da oficina) e restrição de liberdade (crime mais grave que cárcere privado: fecharam a oficina para impedir que João Paulo fugisse da sessão de espancamento).

Tudo isso, segundo o delegado, poderá render mais de 20 anos de reclusão a Gustavo Henrique Albanez e Jhony Marlon Camargo de Souza. O Ministério Público vai se manifestar e, só então, o juízo da 2ª Vara Criminal de Tangará da Serra decidirá quais as penas.

Se a Justiça entender cabíveis as penalidades sugeridas no inquérito, Gustavo Henrique e Jhony Marlon definitivamente dedicarão suas juventudes na cadeia. Para os dois jovens, um triste resultado da soma de quatro elementos: álcool, violência, covardia e sentimento de impunidade.

publicidade

Cidades & Geral

Brasnorte: Ação na Justiça requer devolução de área e indenização de R$ 10 milhões da JBS

Publicado

O não cumprimento de um acordo entre uma indústria frigorífica e o município de Brasnorte (600 km de Cuiabá) está resultando numa batalha judicial. O município de Brasnorte entrou com uma ação contra a JBS para revogação de doação com pedido de reversão do imóvel.

O motivo seria o não cumprimento de atividade econômica de um frigorífico instalado pela empresa, que estaria operando com apenas 10% da capacidade, frustrando as expectativas do município de fomento à economia quando da doação da área.

Segundo o prefeito de Brasnorte, Edelo Marcelo Ferrari, a verdadeira intenção do pedido é que o frigorífico cumpra sua finalidade.

A ação inclui, ainda, multa de R$ 500 mil reais e R$ 10 milhões em indenizações por danos morais.

Segundo o prefeito de Brasnorte, Edelo Marcelo Ferrari (DEM), a verdadeira intenção do pedido é que o frigorífico cumpra sua finalidade, que é de realizar os abates previstos, gerar emprego e trazer renda para o município. “Nós também temos muito dinheiro investido naquela área, tendo em vista que o município fez toda a terraplanagem além da doação do terreno. Então, mais do que justo seria funcionar e isso não está acontecendo”, explica Ferrari.

Leia mais:  Convênio entre município e governo federal viabiliza caminhão-baú para cooperativa

Desapontamento

Para o presidente do Sindicato Rural de Brasnorte, Cleber José dos Santos Silva, a classe produtora está muito desapontada com a subutilização da planta instalada no município e concorda com a ação imposta pela prefeitura para o cumprimento do TAC. “Hoje nós temos uma pecuária maior e mais forte, fartura de pasto – com a integração de agricultura e pecuária, temos mais de 400 mil cabeças de gado e condições para instalar grandes frigoríficos e confinamentos porque temos uma abundância de grãos dentro do nosso município. Então nós cobramos que haja a responsabilidade do frigorífico de cumprir com este compromisso que ele tem com nosso município ou então deixar a oportunidade para que outras empresas possam explorar o potencial que temos aqui em Brasnorte”, esclareceu Cleber.

(Fonte: Agronews; foto: prefeitura de Brasnorte)

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana