conecte-se conosco

Profissionais & Tecnologias

Startup de Israel desenvolve tratamento para cura do câncer

Publicado

Cura do câncer dentro de um ano? É o que promete uma startup baseada em Israel, segundo publicou esta semana o jornal ‘Jerusalem Post’. “Acreditamos que poderemos oferecer dentro de um ano uma cura completa para o câncer”, afirmou ao jornal Dan Aridor, presidente do conselho da Accelerated Evolution Biotechnologies (AEBI).

Cura foi batizada como MuTaTo (multi-target toxin, ou toxina de múltiplos alvos), que usa uma tecnologia chamada SoAP.

De acordo com Aridor, a cura terá benefícios em comparação aos tratamentos disponíveis na atualidade. Ele cita, por exemplo, “nenhum ou quase nenhum efeito colateral a um custo muito inferior do que a maioria dos tratamentos disponíveis”. O tratamento, afirma, seria de algumas semanas.

A cura foi batizada como MuTaTo (multi-target toxin, ou toxina de múltiplos alvos), que usa uma tecnologia chamada SoAP, parte das técnicas de exibição de fagos (phages display), na qual um vírus que infecta uma bactéria pode ser utilizado para desenvolver novas proteínas. Em 2018, aliás, os vencedores do Nobel de Química de exibição de fagos na evolução.

Leia mais:  Hidrômetros inteligentes substituirão convencionais em Tangará da Serra

A técnica da AEBI faz um trabalho similar, mas usa peptídeos. De acordo com Ilan Morad, fundador e CEO da startup, peptídeos são mais baratos, menores e têm produção e controle mais simples.

De acordo com ele, técnicas de cura de câncer em desenvolvimento falham pois miram alvos específicos. A MuTaTo faz exatamente o contrário, usa uma combinação de diversos peptídeos que ataca diversas células cancerígenas ao mesmo tempo. Usar pelo menos três peptídeos na mesma estrutura, diz Morad, “garante que o tratamento não será afetado por mutações”. De acordo com ele, é importante aniquilar completamente o câncer para que não ocorram novas mutações.

Ao Jerusalem Post, ele compara a solução de sua startup à mudança no tratamento da Aids com a chegada do coquetel. “Costumávamos dar diversas drogas [aos pacientes], mas uma de cada vez”, explica. “Durante o tratamento, o vírus sofria mutações e a Aids atacava novamente. Somente quando pacientes começaram a tomar o coquetel, foi possível parar a doença.” Hoje, afirma, pacientes carregam o vírus do HIV, mas não estão doentes. Diferentemente do caso da Aids, porém, com a MuTaTo, as células cancerígenas seriam mortas e não seria necessário tomar medicamentos pelo resto da vida.

Leia mais:  Setores de TI e internet dominam ranking sobre mercado de trabalho

De acordo com Morad, os experimentos com ratos carregando células cancerígenas humanas mostraram sucesso. Agora, a startup deve começar testes clínicos, que devem terminar em alguns anos, oferecendo tratamento específico para casos de câncer. “Nossos resultados são consistentes e se repetem”, afirma Aridor.

(Fonte: Época)

publicidade

Profissionais & Tecnologias

Coronavírus e contratos: o que fazer? Veja o que informa uma especialista no assunto

Publicado

Nos casos que envolvem contratos, duas alternativas para enfrentar o coronavírus: ou as partes previamente convencionam como lidar com situações como essa ou se utilizam de preceitos legais para proteção da parte mais fraca ou da durabilidade da relação.

A questão é que não pode simplesmente a parte falar: “não vou conseguir cumprir o contrato por conta do coronavírus.” A mera alegação não é fundamento para postergar o cumprimento de obrigações contratuais.

Acesse o link abaixo e saiba o que fazer, com orientação da advogada contratualista Lauren Juliê Liria Fernandes Teixeira Alves.

Coronavírus e contratos: o que fazer?

Leia mais:  Setores de TI e internet dominam ranking sobre mercado de trabalho
Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana