conecte-se conosco

Pesquisa & Tecnologia

Brasil e Alemanha lançam estudos sobre mobilidade elétrica

Publicado

Numa parceria entre o Ministério da Economia (ME) e o Ministério Alemão de Cooperação Econômica e para Desenvolvimento (BMZ), por meio do PROMOB-e, foi lançado o relatório “Eletromobilidade no Transporte Coletivo: O Caso da Cidade de São Paulo”. Elaborado pelo instituto de pesquisa WRI Brasil e pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), o relatório foi publicado no início de dezembro.

O estudo tem como objetivo apoiar a elaboração de modelos de negócios para a implementação da nova frota de ônibus limpo na cidade de São Paulo e esclarecer questionamentos sobre novas formas de mobilidade, em especial a mobilidade elétrica. Além de tratar da tecnologia no país, a publicação destaca também a iniciativa pioneira da cidade de São Paulo de exigir, por lei, a inclusão de ônibus limpos na frota.

Estudo visa apoiar a elaboração de modelos de negócios para a implementação da nova frota de ônibus limpo na cidade de São Paulo.

Na maior cidade da América do Sul, onde vivem 12,2 milhões de pessoas, mais de dois terços das emissões de gases de efeito estufa vêm do setor de transportes. Para mudar esse cenário, a renovação da frota de ônibus convencionais por modelos com baixa emissão de poluentes já é um dos compromissos determinados pela chamada Lei do Clima de São Paulo (Lei 14.933/09). O documento foca também na elaboração de modelos de negócios, apresentando etapas para implementação e subsidiando as seções com informações técnicas e boas práticas.

Leia mais:  Setores de TI e internet dominam ranking sobre mercado de trabalho

E para fortalecer ainda mais o debate, foi lançada a publicação Análise de Custos e Emissões para as Cidades de Niterói e Belo Horizonte, também elaborado pelo instituto de pesquisa WRI Brasil. O estudo  traz uma análise da situação destas cidades em relação às emissões de gases de efeito estufa e mostra o desempenho das frotas elétricas para a redução dos impactos ambientais. Em Belo Horizonte, por exemplo, os transportes são responsáveis por mais de 75% das emissões.

Além disso, o estudo apresenta metodologia de ferramenta desenvolvida para análise de frotas de ônibus urbanos, que tem por objetivo auxiliar tomadores de decisão no planejamento e na transição para frotas limpas. Os estudos seguintes foram realizados no âmbito do PROMOB-e e podem ser acessados online: Eletromobilidade no transporte coletivo: o caso da cidade de São Paulo Análise de custos e emissões para as cidades de Niterói e Belo Horizonte.

PROMOB-e

O PROMOB-e é um projeto de cooperação técnica internacional executado pelo Ministério da Economia, em parceria com o Ministério Alemão de Cooperação Econômica e para Desenvolvimento (BMZ), por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH, e tem por objetivo auxiliar o governo brasileiro na formulação de políticas públicas que estimulem a adoção de sistemas de propulsão mais eficientes. A parceria teve início em janeiro de 2017 e tem duração prevista até 2020.

Leia mais:  Pesquisadores de Embrapa e Emater desenvolvem variedades de pequi sem espinhos e cenoura resistente

Em quatro anos, o governo alemão deve dispender até cinco milhões de Euros para fomentar a contratação de estudos, realização de seminários, oficinas, capacitações, e visitas técnicas que ajudem a mapear o atual cenário da eletromobilidade no país e no mundo, dotando os agentes tomadores de decisão no governo brasileiro de informações técnicas para formulação de políticas públicas ligadas ao tema. Ao final, a expectativa é que seja possível identificar atores, gargalos e oportunidades inseridas neste setor. O objetivo final é garantir as condições para que a tecnologia da mobilidade elétrica possa se desenvolver no país.

Importante lembrar que no Brasil, o setor de transporte é responsável por mais da metade do consumo de combustíveis fósseis e por quase metade das emissões de GEE do setor de energia. De acordo com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), espera-se que a frota de carros de passeio triplique até 2050, chegando a cerca de 11,8 milhões.

publicidade

Pesquisa & Tecnologia

Pesquisadores de Embrapa e Emater desenvolvem variedades de pequi sem espinhos e cenoura resistente

Publicado

Pequi sem espinhos e cenoura orgânica resistente a fungos e bactérias. Estes são os dois resultados mais recentes da pesquisa no Brasil.

Neste mês de fevereiro, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), da unidade de Goiás, anunciou que uma equipe de pesquisadores dos seus quadros desenvolveu um estudo que resultará numa variedade de pequi sem espinhos. Segundo a coordenadora da equipe, Elainy Botelho, será possível comer o pequi tranquilamente, sem se preocupar com espinhos, daqui dois anos.

Além disso, segundo ela, o fruto sem o espinho se assemelha ao tradicional tanto na cor quanto no sabor. “Apesar da variabilidade, o fruto tem as mesmas características do pequi com espinhos. Ele é alaranjado, tem a poupa grossa e o sabor levemente doce”, conta a coordenadora.

Estudos para criação de variedade de pequi sem espinhos foi anunciada pela Empaer de Goiás.

Segundo Elainy, o estudo começou após um produtor ter uma muda da planta de pequi sem espinhos em sua fazenda, em Cocalinho, no Mato Grosso. “O produtor descobriu o pequi sem espinhos e até tentou reproduzi-lo, mas não conseguiu. Lá fomos nós, na propriedade dele, e fizemos um clone da planta do pequi com o uso da técnica de enxertia. A planta foi multiplicada, e está sendo estudada e acompanhada”, diz Elainy.

Leia mais:  Hidrômetros inteligentes substituirão convencionais em Tangará da Serra

Para maiores informações, entrar em contato com a Emater-GO, pelo telefone (62) 3201-8700.

Cenoura

Também neste mês de fevereiro, outro anúncio relacionado à pesquisa. Os produtores rurais brasileiros em breve terão a opção de comprar novo tipo de semente de cenoura para cultivo orgânico, já batizado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) como Cenoura BRS Paranoá.

As hortaliças da nova cenoura são mais resistentes à queima de folhas – principal doença da cultura, causada por bactérias e fungos – e não exigem adição de defensivos químicos para evitar pragas. A nova cultivar também é mais tolerante a problemas causados por microrganismos do solo (nematoides das galhas) que afetam o crescimento da raiz.

Cenoura orgânica resistente é resultado de pesquisa da Embrapa.

A expectativa é que as lavouras da Cenoura BRS Paranoá sejam mais produtivas do que as plantações com as sementes hoje disponíveis no mercado.

“Tem potencial produtivo de pelo menos o dobro da cenoura híbrida”, disse Agnaldo Carvalho, pesquisador da área de melhoramento genético da Embrapa Hortaliças, no Distrito Federal.

Leia mais:  Parceria com Israel trará para o Brasil sistema de extração de água do ar

A polinização da cultivar desenvolvida pela Embrapa é aberta, não precisa ser induzida como ocorrem com as sementes híbridas atualmente mais utilizadas. Além disso, o método tem custo menor e os produtores, quando capacitados, podem aproveitar as sementes colhidas para o próximo plantio, evitando o gasto com a aquisição de novas sementes.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana